Tráfego de Mercadorias Abranda mas Evolui Positivamente

O tráfego de mercadorias em Portugal no terceiro trimestre de 2015 continuou a registar comportamentos positivos nos modos rodoviário, ferroviário e marítimo.

Apesar disso, é de destacar que os registos positivos da ferrovia e da via marítima denotam uma desaceleração.

Segundo os dados divulgados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística, por via marítima houve um crescimento na tonelagem transportada de 6,4%. Por via rodoviária registou-se uma subida de 5,3%. Já o modo ferroviário registou uma subida de 0,3%.

Estes registos trimestrais evidenciam então uma desaceleração face às subidas registadas anteriormente: o crescimento nos portos foi de 12,3% no segundo trimestre de 2015 e o modo ferroviário registou um aumento de 14,4% entre abril e junho. Já na rodovia deu-se o inverso: o crescimento passou de 3,9% para 5,3%.

Nos portos nacionais, destaca então o INE, “o movimento de mercadorias aumentou 6,4% correspondendo a 21,9 milhões de toneladas movimentadas (+12,3% no 2ºT 2015), das quais 8,7 milhões de toneladas carregadas e 13,2 milhões descarregadas”.

“Os portos de Sines, Leixões e Lisboa foram responsáveis por 75,4% das mercadorias carregadas nos portos nacionais e 84,1 % das mercadorias descarregadas”, detalha o INE. O movimento de mercadorias em Sines cresceu 13,6% no trimestre face ao mesmo período de 2014, com Lisboa a movimentar mais 3,9% de mercadorias.

Vias rodoviária e ferroviária: “As mercadorias transportadas por rodovia, medidas pela sua tonelagem, cresceram 5,3% no 3º T 2015 (+3,9% no trimestre anterior).

Esta evolução positiva ocorreu graças à componente nacional (+7,7%) a qual representou 85,5% do total movimentado.” Este aumento do transporte de mercadorias por via rodoviária está sobretudo assente no tráfego nacional, já que “o transporte internacional continuou a diminuir, com decréscimos de 7% (-2,3% no 2º trimestre 2015) e 6,7% em volume (-5,7% no trimestre anterior)”.

Quanto à ferrovia, houve “um ligeiro acréscimo de 0,3%, evidenciando um claro abrandamento face a +14,4% no 2ºT e +11,1% no 1º T 2015. O respetivo volume de transporte aumentou 4,0%”.

Retirado de: Dinheiro Vivo